segunda-feira, 6 de maio de 2013

CAPITULO 9..."MEU UNIVERSO VIRTUAL" BOA LEITURA.


Meu universo virtual

Como todos puderam ver até agora, eu sempre
vivi com muito pouco, família humilde...
Conheci o computador há poucos anos, e mesmo
assim só usava para digitação e jogos, já que
internet era coisa de rico.
Em meados de 2008, eu comecei a me familiarizar
com internet, fiquei curiosa, mas não me
chamou muito a atenção. Em 2010, ganhei um
notebook de presente... começou uma outra parte
da minha história, um mundo novo, onde encontrei
familiares que eu nem conhecia.
Fiz amizades com crianças, idosos...
Eu me sentia muito solitária e hoje costumo dizer
que quem tem internet e um computador nunca
está só, já que tem um mundo atrás da telinha.
Aprendi muito através desta telinha, conheci pessoas
boas e más. Faz parte da vida da gente, no universo
real ou virtual, sempre haverá o bem e o mal.
Somos nós quem decidimos de que lado ficar...
decidi ficar do lado do bem e confesso não vivo
mais sem as pessoas que conheci virtualmente,
pois em minha vida, só fica quem realmente merece
ficar.

Vou contar algumas histórias de pessoas que
conheci no mundo virtual. Fiz até viagem para conhecer
amiga virtual e todos falavam, tanto para
mim quanto para ela que éramos loucas, pois não
sabíamos nada uma da outra. Eu confesso foi a
melhor viagem da minha vida... Lá, com minha
amiga, eu fui muito feliz, amada por ela e pela
família dela.
Recebeu-me em sua casa mesmo sem me conhecer,
me buscou no aeroporto. Cheguei no dia do
meu aniversário, e minha amiga foi comprar bolo
para me agradar. Esta amiga apareceu, simplesmente,
em uma comunidade para encher minha
vida de amor, de alegria e carinho. No momento
que eu mais precisava de carinho e atenção, uma
pessoa estranha fez por mim o que eu esperava que
pessoas próximas tivessem feito. Ela me compreendeu
e me deu a atenção que tanto precisava.
Quando decidi conhecer esta amiga, eu estava
em depressão porque a minha filha havia casado
com apenas 17 anos. E, desde que ela veio morar
comigo, com 13 anos, nós discutíamos muito,
porque eu não queria que ela sofresse o mesmo
que eu sofri, não queria que ela tivesse as mesmas
privações que eu tive.

Nas nossas discussões ela sempre dizia:
– “Quando eu completar 18 anos, casada ou
solteira, vou embora desta casa.”
E foi exatamente o que aconteceu: o dia que
minha filha completou 18 anos, veio o caminhão
que a levou para longe de mim. Meu mundo caiu
e ninguém compreendeu o meu sofrimento, a minha
dor.
Minha amiga virtual, que acompanhava tudo,
me disse: – “Nah, vem pra cá, amiga, sai daí um
pouco.”
Minha amiga Fá, como eu a chamo, fez, dos
cinco dias que estive com ela, os melhores dias da
minha vida. Nunca ri tanto em minha vida toda
como nestes dias que estive com ela, me levou a
todos os parques possíveis de Curitiba, que cidade
maravilhosa. Tirou aquela tristeza da minha alma,
me levou para conhecer todos os meus primos e
primas que moram lá, pois eu só os conhecia virtualmente,
nunca tinha estado com eles. Pessoas maravilhosas,
nem tenho palavras para dizer, todos
me receberam com muito carinho, muita atenção.
Trataram-me bem, fizeram de mim a mulher mais
feliz do mundo.

Eu e Fá saíamos todos os dias bem cedo e só
voltávamos a noite. Passeávamos por todos os lugares,
todas as praças parávamos para tirar fotos.
Ás vezes nos perdíamos e ficávamos dando voltas
até encontrar o caminho, nos cansávamos e voltávamos
para casa, para depois de um belo descanso
começar novamente nossos passeios.
Sempre nos perdíamos quando íamos para casa
de algum familiar meu... ficávamos telefonando
até acertar o caminho.
Ríamos muito quando nos perdíamos, fomos
muito felizes, eu e minha amiga virtual.

Depoimento da minha amiga:

“Amiga, pra mim também foram os melhores
dias de minha vida, porque, assim com tu, eu também
estava triste, minha vida era só trabalhar e
nem pensava em mim... eu não saía mais, a minha
vida era só trabalhar, mas quando tu vieste, amiga,
nós nos conhecemos... que dias lindos tivemos...
meu Deus, foi muito legal... tu era tudo aquilo
que demonstrava virtualmente... amiga, pra mim
tu és mais que amiga... minha maninha caçula que
eu amo muito... tu já fazes parte de nossa família...
esquecemos os problemas, curtimos muito, fomos
pra praia, voltando da pizzaria ficamos rodando
de carro perdidas em São José dos Pinhais...(risos)
lembro da bolsa da amiga Noyla que ficou no car-
ro com a chave da casa dela...nossa que aventura...
tu, amiga, escalando o morro no Parque Tanguá
foi muito legal... tu e a Noyla são, hoje, minhas
melhores amigas... que eu amo muito...”

Realmente, uma grande verdade o que a Fá disse:
fomos à praia, na volta passamos na casa da
Noyla, irmã do meu cunhado, que eu não via há
mais de 26 anos, ela fez churrasco, bolo pelo meu
aniversário, nos divertimos como nunca, Noyla
também tem filhos e neto adoráveis.
Desejo voltar, assim que puder, em Curitiba,
para conhecer os familiares que não deu tempo de
visitar, pois estive lá só cinco dias.
Estas pessoas que eu conheci virtualmente, e
tive o prazer de conhecer pessoalmente, ficarão
para sempre guardadas em meu coração, que só
sabe amá-las.



MINHAS AMIGAS VIRTUAIS AGORA REAIS... NOYLA E FATIMA AMO ELAS DEMAIS....


Se houver alguém interessando no livro.
Favor entrar em contato comigo.
Nos fones:
019-9293-1146 claro
019-8245-5561 tim
ou via email

nana_190177@hotmail.com

OBS( Enviarei o livro já autografado)


Bjosss da NAH VERLINDO